Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge
siga-nos RSS Facebook Twitter YouTube
Enviar E-mail
 
12-02-2013 

 Vigilância da Gripe: relatório da época 2011/2012 

Vigilância da Gripe: relatório da época 2011/2012 
 

No âmbito da vigilância epidemiológica da gripe, assegurada pelo Programa Nacional de Vigilância da Gripe, é produzido anualmente o Relatório que reúne a informação referente à caraterização clínica e laboratorial da doença e cujos resultados constituem uma fonte útil para a orientação e planeamento de medidas de prevenção e controlo da gripe, em épocas futuras.

O Relatório que agora se publica apresenta dados sobre a atividade gripal no inverno de 2011/2012 e algumas das conclusões recaem sobre:

  • Período de maior atividade gripal:
    • A deteção dos primeiros vírus da gripe ocorreu no fim do mês de dezembro, sendo detetado o período de maior atividade gripal entre as semanas 3 e 11 de 2012, com a duração de 9 semanas. Durante este período a taxa de incidência atingiu o valor máximo de 137,71 casos por 100 000 habitantes, na semana 10, sendo considerada a atividade gripal como alta / moderada.
  • Vírus em circulação:
    • A análise virológica, permitiu a identificação do vírus influenza A(H3) em 97,7% dos casos de gripe, sendo o predominante na época 2011/2012 . Foi também detetado em menor número o vírus influenza B (6 casos, 2,3%), principalmente na segunda metade da época de vigilância. Não foram detetados vírus influenza A(H1) sazonal e A(H1)pdm09.
  • Grupos etários com maior incidência:
    • O grupo etário dos 65+ anos foi aquele onde a taxa de incidência foi mais elevada, com 1415.78 casos por 100 000 habitantes. A maior percentagem de casos positivos para gripe (55.7%), foi verificada nas crianças, em idade escolar, entre os 5 e 14 anos, com uma taxa de incidência de 1106.31 casos por 100 000 habitantes.

O Relatório do inverno 2011/2012 refere, ainda, que a época é em tudo muito comparável a outras, onde o vírus influenza do tipo A (H3) predominou (nas épocas de 1998/99, 2001/02 e 2004/05) onde as taxas de incidência máximas atingiram valores elevados, por vezes superiores a 200 casos por 100 000 habitantes.

Outra das conclusões a realçar é o fato de ter ocorrido uma redução na cobertura da vacina antigripal sazonal, na população geral e em todos os grupos etários à exceção dos 45-64 anos, uma observação que deverá ser um incentivo para o reforço da campanha de vacinação nos grupos alvos prioritários para a vacinação antigripal.

As atividades do Programa Nacional de Vigilância da Gripe são desenvolvidas pelo Laboratório Nacional de Referência para o Vírus da Gripe, do Departamento de Doenças Infeciosas e pelo Departamento de Epidemiologia do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge IP, em colaboração com a Direção Geral de Saúde, assegurando a vigilância epidemiológica da gripe em Portugal.

 

Consultar Relatório do PNVG: época 2011/2012