Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge
siga-nos RSS Facebook Twitter YouTube
Enviar E-mail

 Observação de Saúde

 

O Departamento de Epidemiologia (DEP) contribui para a concretização da função "observatório nacional de saúde" atribuída ao Instituto Ricardo Jorge.

Com essa finalidade, o DEP cria e gere instrumentos de observação através dos quais são colhidos dados relevantes. A exploração desses dados bem como de outros disponíveis em outras bases de dados, traduzem-se em estudos nas diferentes áreas de trabalho do departamento.

O INS (Inquérito Nacional de Saúde) colhe dados sobre um grande número de indicadores de saúde através de uma amostra de grande dimensão, representativa da população residente. A sua periodicidade é, aproximadamente, quinquenal.

“MÉDICOS-SENTINELA” estima taxas de incidência de várias doenças transmissíveis e não transmissíveis através de uma rede de médicos de Clínica Geral/Medicina Familiar que participam voluntariamente.
 
O RENAC (Registo Nacional de Anomalias Congénitas) colhe dados sobre a ocorrência de anomalias congénitas através dos serviços de pediatria e de obstetrícia dos hospitais portugueses, produz estimativas anuais de prevalência e realiza estudos específicos sobre este tema.

ECOS (Em casa observamos saúde) é constituído por uma amostra de famílias com telefone fixo que voluntariamente se disponibilizam para prestar informação sobre a saúde dos seus membros através de entrevistas telefónicas realizadas, em regra, três vezes por ano.

ÍCARO (Importância do calor: repercussões sobre os óbitos) faz previsões sobre os efeitos das ondas de calor na mortalidade da população e desenvolve estudos sobre os vários efeitos do calor e do frio na população.

ADÉLIA (Acidentes domésticos e de lazer: intervenção adequada) produz informação sobre a ocorrência deste tipo de acidentes utilizando uma amostra de serviços de urgência de hospitais e centros de saúde que transmitem electronicamente dados sobre os casos que a eles recorrem.

VDM (Vigilância diária da mortalidade) realiza a vigilância diária da mortalidade através de dados de rotina obtidos junto do Instituto dos Registos e do Notariado e do Instituto da Tecnologias da Informação (Ministério da Justiça) e transmitidos por via electrónica.

Obob’s (Observatório de óbitos) trata-se de um sistema revisão e reavaliação regular dos dados disponíveis da mortalidade portuguesa visando, nomeadamente, identificar as causas de morte que, em cada ano, sofrem alterações inesperadas.

Os indicadores gerados por estes instrumentos de observação são publicados em suportes electrónicos e de papel de forma a estarem disponíveis para as entidades e as pessoas que deles necessitam.